PUBLICIDADE

Rio de Janeiro investe em 4 projetos de BRT

A partir de junho deste ano, o Rio de Janeiro começa a operar os primeiros sistemas BRT projetados para a cidade. O TransOeste, que vai ligar a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande, todos os bairros da zona oeste, já está em testes e em breve estará em operação total.

Os projetos iniciais desses sistemas que mudarão a estrutura viária do Rio de Janeiro foram inaugurados, no final de 2010, a partir da necessidade de um transporte público urbano mais moderno e que atenda as reais necessidades da população.

“Sempre fala- mos muito que as pessoas no Rio têm que andar menos de carro e usar bastante transporte públi- co. Os passos para permitir que as pessoas façam isso estão sendo dados agora”, disse o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, quando do início das obras da Transoeste - o primeiro BRT da capital fluminense.


A estimativa do governo municipal é que até 2016 todos os projetos para o sistema de transporte coletivo urbano, que incluem licitação de linhas de ônibus, licitação de vans, bilhete único e implantação de quatro corredores de BRT, estejam prontos. Segundo o prefeito carioca trata-se de uma revolução nos transportes na cidade do Rio de Janeiro, que irá diminuir significativamente o trânsito nas ruas e dar conforto à população por meio do aumento de velocidade nos deslocamentos, estética e qualidade.

A modernização viária e a criação dos projetos operacionais dos sistemas BRT fazem parte de iniciativa da Federação das Empresas de Trans- portes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), filiada à Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), juntamente com a Secretaria do Municipal de Transportes do Rio (SMTR), que é a responsável pelas obras estruturantes da cidade - infraestrutura viária, mobiliário urbano e sinalização.

De acordo com Lélis Teixeira, presidente da Fetranspor, essa é uma oportunidade única para o aprimoramento do setor com soluções inteligentes e sustentáveis para mobilidade urbana. “Esperamos que os conceitos relacionados aos deslocamentos sejam repensados, dando-se a necessária priorização ao transporte público, em detrimento do individual”, pontua o executivo. Atendimento à população Os sistemas BRT são conhecidos pela alta capa- cidade de transportar passageiros, com um tempo mínimo de espera nas estações, embarque em nível mais segurança e velocidade - ocasionando a diminuição do tempo do percurso, entre outros benefícios. Na visão da NTU, essas características proporcionam conforto aos usuários, contribuindo para melhorar a atração ao transporte por ônibus.

No caso do Rio de Janeiro e municípios serão 130 km de corredores, com cerca de 600 ônibus articulados transportando um milhão de pessoas por dia. A expectativa da Secretaria Municipal de Trans- portes do Rio com o primeiro BRT da capital fluminense, o TransOeste, por exemplo, que terá 38 quilômetros de extensão, é de reduzir o tempo de percurso de uma hora e quarenta minutos para menos de 60 minutos.

As obras do TransCarioca começaram em março de 2010 e devem, na estimativa da Prefeitura do Rio, reduzir em 60% o tempo de viagem entre a Barra da Tijuca e o Aeroporto Internacional Tom Jobim, passando por bairros como Madureira e Penha, região considerada importante do subúrbio carioca.

Os demais - TransBrasil (Centro – Washington Luiz/Dutra/Deodoro) e TransOlímpica (Barra da Tijuca – Deodoro) - estão sendo desenvolvidos com previsão de conclusão a partir do final do ano de 2015. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro, a mobilidade urbana local será melhorada com mais economia e qualidade de vida aos moradores de todos os bairros cortados pelos corredores expressos que serão sistemas integrados com metrô, trêns e ciclovias. “Os BRTs serão integrados com uma tarifa única e também teremos muitas linhas que com- partilharão esses corredores. Eles terão cinco ou seis pontos de conexão permitindo que os ônibus passem de um corredor para o outro. Essa é outra grande vantagem relacionada ao processo de integração”, afimou Alexandre Sansão, secretário Municipal de Transportes.

 

Autor: NTU

NTU URBANO Edição N° 163 - Março/Abril 2011

PUBLICIDADE