PUBLICIDADE

Para retomar BRT, Prefeitura de Goiânia pede celeridade à Caixa

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende, se reuniu com a Superintendente Regional da Caixa Econômica Federal (CEF) no Estado de Goiás para solicitar celeridade na solução dos impasses burocráticos que têm atrasado a retomada das obras do Bus Rapid Transit (BRT) Norte-Sul da Capital. A reunião ocorreu no Palácio das Campinas Venerando de Freitas Borges (Paço Municipal).

Na ocasião, os representantes da Caixa apresentaram uma proposta de elaboração, em parceria com a Prefeitura de Goiânia, do recurso que será protocolado junto aos órgãos reguladores para que os valores retidos na instituição financeira, que é responsável pelo financiamento da obra, sejam definitivamente liberados. “Diante disso, hoje aceitamos que a própria Caixa contribua na formulação do recurso que será protocolado junto aos órgãos reguladores. Aceitamos a proposta visando agilidade em todos esses processos e trâmites burocráticos para que Goiânia não seja prejudicada”, afirmou Iris Rezende, completando que o serviço será executado por um valor 30% inferior ao proposto pela segunda colocada no processo licitatório. 'Não há porque paralisar diante de todo empenho que estamos fazendo para que este projeto seja concretizado. Não podemos permitir que a burocracia prejudique uma obra tão importante para cidade'.

As obras do BRT foram paralisadas após suspensão do repasse de R$ 10 milhões por parte da CEF ao consórcio formado pelas empresas EPC e WGV. Os recursos foram retidos após apontamentos da Controladoria Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TCU) de que itens e materiais estariam acima e outros abaixo do preço.

Em menos de um mês essa foi a segunda vez em que Iris Rezende se reuniu com representantes da instituição financeira. No dia 20 do mês passado, em encontro com a superintendente da Caixa em Goiás, Marise Fernandes, o prefeito determinou o empenho da própria CEF, secretários municipais e representantes do consórcio executor do empreendimento para solucionar o impasse. “Estamos trabalhando no sentido de solucionar esse contratempo, uma vez que o prefeito Iris Rezende convocou as partes envolvidas e determinou o empenho de todos. Além disso, vale ressaltar que ações de suspensões no repasse de recursos são comuns em todo país”, destacou Marise Fernandes.

A reunião desta quinta-feira contou também com a participação do vice-presidente de Produtos e Varejo da Caixa, Fábio Lenza; do vice-presidente de Governo, Roberto Derziê; dos secretários municipais de Infraestrutura, Fernando Cozzetti; de Governo, Samuel Almeida; do Controlador Juliano Bezerra e do Chefe de Gabinete do prefeito, Paulo Ortegal.

O BRT Norte-Sul

O BRT Norte-Sul é a maior obra de mobilidade urbana de Goiânia desde a década de 80.  O corredor beneficiará mais de 120 mil pessoas por dia, atendendo 148 bairros de Goiânia e Aparecida. Além disso, quando entregue, o sistema vai operar com 93 ônibus em quatro linhas, circulando na velocidade estimada de 28 km/h, o dobro da velocidade atual. Ao todo, serão 39 plataformas de embarque e desembarque, além de seis terminais.

A obra, segundo a CEF, está orçada em R$ 240 milhões. Deste montante, 22% já foram repassados pelo Governo Federal via Ministério das Cidades e recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

 

Fonte: Diário de Goiás

PUBLICIDADE