PUBLICIDADE

Metro Jornal testa integração da linha 4 com o BRT que será usada nos Jogos

A expressão do pequeno público que nesta terça-feira pôde estrear os dois novos serviços de transporte do Rio era de alívio. Pessoas que estão credenciadas para trabalhar nos Jogos Olímpicos puderam finalmente economizar tempo com a entrada em operação da linha 4 do metrô (Ipanema-Barra) e do Lote Zero do BRT Transoeste, que oferece um serviço especial do Jardim Oceânico até a estação Centro Olímpico, em frente ao Parque Olímpico, palco das disputas de 16 modalidades da Rio 2016. No entanto, enquanto alguns comemoravam a rapidez e a comodidade da linha praticamente exclusiva, alguns estavam se sentindo perdidos e reclamaram de falta de informação.

“Eu gastava três horas para ir de São Gonçalo ao Parque Olímpico. Nos últimos dias, com a Transolímpica, meu tempo de deslocamento caiu para duas horas. Agora, faço em uma hora e meia. Vai facilitar a nossa vida”, contou o argentino Leandro Latorre, de 42 anos, que é voluntário no Parque Olímpico e mora em São Gonçalo há um ano.

Já um jornalista da TV americana NBC, que não quis se identificar, criticou a falta de informação. “Ninguém desse pessoal de amarelo (voluntário) sabe dar informação sobre onde pegar o BRT, qual o caminho que ele faz, se é direto ou não”, reclamou.

O Metro Jornal testou o transporte saindo da estação General Osório do metrô. Quando a equipe chegou à plataforma, o trem estava lá parado e saiu logo em seguida. Com os vagões quase desertos, espaço não faltava para as cerca de 15 pessoas que faziam a viagem. Em 14 minutos, o trem já estava na estação Jardim Oceânico, onde é realizada a integração com o BRT. Na plataforma, porém, encontramos mais gente perdida.

“Estou perdido, sim. Estou indo para locais de competição e fiquei confuso, porque são distantes. É bom ter esse metrô agora, mas é inconveniente ser em cima da hora assim”, disse o jornalista inglês Eoin Connolly, 31 anos.

Em contrapartida, a carioca de Bangu Gisele Queiroz, 37 anos, era só sorrisos: “Estou feliz mesmo”, enfatizou a voluntária recepcionista na Vila Olímpica: “Estamos como cobaia, mas estou gostando. Estudo no Centro e levava 2h30 até lá. Hoje [ontem], da Carioca até aqui foram só 30 minutos. Vou para o BRT.”

Bruna Prado/ Metro Rio

Bruna Prado/ Metro Rio

BRT para em 2 estações

O intervalo entre os trens do metrô e o dos ônibus é o mesmo: 16 minutos. Saindo do Jardim Oceânico, o BRT para em duas estações: Bosque Marapendi e Barrashopping. No caminho, o holandês Rona Speksnijder, 48 anos, assistente do COI (Comitê Olímpico Internacional), estava aliviado com os serviços. “Eu cheguei na quarta e fiquei furioso com o transporte. Gastei 5h30 do Flamengo ao Parque Olímpico. Peguei ônibus errado e fui parar na av. Presidente Vargas. A expectativa para esses Jogos era baixa e agora está melhor. As pessoas são muito  educadas e prestativas”.

O trajeto durou só 21 minutos, 4 a menos do que havia informado um funcionário na Jardim Oceânico. Na chegada, porém, uma falha. Na saída da estação Centro Olímpico, não há rampa para cadeirantes, apesar de o Rio ter a Paralimpíada, em setembro. Do outro lado, a 250 m, havia uma rampa, mas fechada com grades.

Primeiro dia de faixa exclusiva trava o trânsito

Engarrafou a avenida das Américas | Diego Padgurschi/Folhapress

Engarrafou a avenida das Américas | Diego Padgurschi/Folhapress

Se os engarrafamentos no Rio continuarem grandes, devido às restrições nas seletivas reservadas à família olímpica, o trânsito poderá sofrer novas alterações. É o que garantiu ontem o prefeito do Rio, Eduardo Paes. No primeiro dia útil de funcionamento das faixas exclusivas, o trânsito ficou lento em diversos pontos da cidade tanto de manhã, quanto na volta para casa. Somados, os congestionamentos passaram dos 45 km em algumas das principais vias da cidade.

Os maiores problemas aconteceram na Linha Amarela, que teve velocidade média de cerca de 10km/h nos dois sentidos no início da manhã. No sentido Barra, a via teve lentidão da altura de Maria da Graça até a Av. Ayrton Senna e, no sentido Fundão, da Cidade de Deus até a Estrada do Pau Ferro e do pedágio até Bonsucesso.
O Centro de Operações Rio (COR) recomenda aos motoristas que trafegam da Barra para o Centro ou Zona Norte que optem pela Grajaú-Jacarepaguá e pelo Alto da Boa Vista ou pela Autoestrada Lagoa-Barra.

Mudanças no Terminal Alvorada

A partir de hoje, haverá mudanças do BRT no Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca.

Os articulados do corredor Transcarioca mudaram de local de embarque e desembarque. Agora, eles ficam na plataforma B.

Já no lado A ficam os ônibus da via expressa Transoeste.

 

Fonte: Metro Jornal

PUBLICIDADE