PUBLICIDADE

Transporte público de Curitiba e Bogotá

Bogotá e Curitiba são mundialmente conhecidas pelos sistemas de transporte público baseado em ônibus, com diferencial qualidade em metrópoles de países em desenvolvimento. No entanto, para ser referência,esses sistemas dependem de melhoria técnica contínua e de infraestrutura subsidiada e financiada pelos líderes, devido à acentuada competitividade com outros modos de transporte.

Tecnicamente conhecido como BRT (trânsito rápidodeônibus),este istema é adotado em ambas cidades efunciona com média a altacapacidade de transporte. Curitiba começou a implementar os eu BRT na década de 1970 e Bogotána década de 2000. Apesar da diferença de escala, acapital paranaense tem 1,8 milhões de habitantes,e Bogotá 7,3 milhões -as semelhanças entre os seus sistemas de transportes de massa têm sido objeto de estudos comparativos.

Curitiba, considerada o berço do BRT, tem 81 km de corredores de ônibus segregados, 22 terminais de intercâmbio, e mais de 350 plataformas de ônibus especiais ao longo das principais rotas, que compõem o sistema BRT da cidade. Uma característica principal do sucesso do sistema é a sua complexa rede de linhas de alimentação, gerida pela prefeitura e operada por empresas privadas.

Bogotá começou a implementação do seu BRT em 2000. O sistema trouxe inovações importantes, como a rota segregada de quatro pistas, permitindo ônibus expresso ultrapassar os regulares, com sistema composto por 103 km de rotas segregadas e 13terminais de intercâmbio. Apesar do fato de que Bogotá está continuamente expandindo suas linhas de BRT, ônibus regulares e micro-ônibus ainda são responsáveis por 66% das diárias viagens de Transporte Público.

Posto tanto, uma pesquisa -a "What to expect from the future leaders of Bogotá and Curitiba in terms of public transport: Opinions and practices among university stu-dents",publicada no periódico internacional Transportation ResearchPart F: Traffic Psychology and Behaviour -avaliou a opinião e o comportamento de estudantes universitários das duas cidades associadas à Mobilidade urbana. Embora os estudantes das duas cidades façam uso elevado do transporte público (51% em Curitiba e 59% em Bogotá), o uso do ônibus diminui durante o seu tempo na universidade. Por outro lado, o uso do carro é bastante discrepante: 51% em Curitiba e apenas 7% em Bogotá. Esta diferença é explicada pelo fato de que apenas 15% dos domicílios dos estudantes de Bogotá têm dois ou mais carros, enquanto Curitiba chega a 50%. Os estudantes acreditam que a bicicleta é o meio de transporte que deve receber mais apoio da administração pública. No entanto, para ambas as cidades, menos de 5% dos estudantes utilizam a bicicleta como meio de transporte.

Considerando que os estudantes universitários tendem a ser as principais classes em poucos anos e a motorização tende a aumentar com rendimentos mais elevados, analisar as opiniões e comportamentos desses estudantes para o transporte pode indicar os desafios semelhantes que as cidades terão de enfrentar no futuro próximo.

Embora as duas capitais possuam problemas de Mobilidade urbana,os sistemas utilizados em ambos locais poderiam ser utilizados em outras cidades que pretendam minimizar ouso de transporte particular e aumentar o uso de transporte público. Logo, areceita ésimples: tais cidades devem investir em infraestrutura de qualidade eoferecerconforto aos passageiros afim de atrairo maior número de pessoas para ouso de transporte coletivo.

Fabio Teodoro de Souza é professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) e dos cursos de Engenharia Civil e Ambiental (PUCPR).

Fonte: Gazeta do Povo

PUBLICIDADE